sábado, 28 de março de 2009

Pontes

Normalmente, as pontes têm duas saídas e duas entradas.
Em alguns casos condicionadas em alternância, por insuficiência de capacidade apropriada para dois sentidos simultâneos.
Quando só têm um sentido, geralmente geminam com outra de sentido oposto.

Imaginem um aeroporto onde só se aterra ou de onde exclusivamente se descola.
Uma ponte para o infinito ou um barco sem fundo.
Serão exequíveis?
Claro que sim! Apesar de não terem nenhuma utilidade prática.
Assim acontece com os projectos que se não executam, ou que se deixam ficar no papel por largos e longos anos.
Quando se constroem sociedades, ditas, plurais, apela-se mais tarde ou mais cedo à sua união e coesão.
Nós por cá, em que é que ficamos?

1 comentário:

Unknown disse...

Boa pergunta.


Saudações


iv